Sentidos Clínica
35 3531-8113 / 9 8898-8113

Mau hálito: encare esse problema de frente

Dúvidas mais frequentes:

  • Por que temos dificuldades em sentir o nosso hálito?
Porque o epitélio olfatório se adapta rapidamente ao odor. A isso damos o nome de fadiga olfatório. O portador de halitose se “acostuma” com o próprio hálito e não percebe que ele esta alterado.
  • Como uma pessoa pode saber se tem mau hálito?
A melhor  forma é perguntar a alguém do seu convívio se os seu hálito está alterado ou costuma ser forte. Quem tem mau hálito deve procurar ajuda e resolver o problema.
  • Qual a importância de tratar halitose?
A halitose pode estar sinalizando alguma doença, que deve ser diagnosticada e tratada.  Além disso, o portador de mau hálito apresenta dificuldades de relacionamento, tanto no campo afetivo como no social. Quem desconhece seu problema muitas vezes é discriminado em seu grupo social e termina sendo vítima de distanciamento em suas relações afetivas. Já o portador conciente, costuma se afastar das pessoas, mudando muitas vezes, seu padrão de comportamento.
 
A halitose  tem cura?
Sim, desde que todas as causas sejam diagnosticadas e que o paciente tenha consciência do seu importante papel na manutenção do resultado.
 
Quem são os pacientes mais susceptíveis a halitose?
Aqueles que apresentam mudanças nos padrões salivares  (baixo fluxo salivar ou aumento da viscosidade), sangramento gengival, doença  periodontal, saburra  lingual, cáseo, processos alérgicos e alterações sistêmicas capazes de produzir metabólicos aromáticos desagradáveis ao olfato humano.
 
Quando existe gosto ruim na boca, a pessoa está com halitose?
Não necessariamente. É importante perguntarmos a pessoas de nossa intimidade se nosso hálito está alterado, pois nem todo gosto ruim na boca é acompanhado da formação de gases bucais ma cheirosos.  As alterações gustativas (disgeusia) também devem ser tratadas.
 
Saburra e  Cáseo
Ambos são constituídos por células epiteliais descamadas, mucina salivar, bactérias, resíduos alimentares, etc.
Quando a aderência ocorre no dorso lingual, denomina-se saburra; quando nas criptas amidalianas, chama-se cáseo.
89% das causas da halitose estão relacionadas com problemas bucais, sendo a saliva muito importante na manutenção da saúde bucal e do hálito agradável.
Portanto, o cirurgião-dentista é o primeiro profissional que deve ser consultado.
Saburra lingual deve ser removida sob leve pressão.
Tão importante quanto sua remoção é diagnosticar os fatores que tenham à sua formação.
 
 Dicas para um hálito agradável:
Visite seu dentista semestralmente, lembrando que a avaliação periodontal também deverá ser realizada!
Faça um check-up anual para manter a saúde geral.
Tenha uma dieta balanceada.
Beba no mínimo 2.700ml de água por dia. Se praticar atividade física, aumente essa qualidade.
Utilize alimentos fibrosos diariamente, para estimular as glândulas salivares e garantir o adequado funcionamento intestinal .
Siga com disciplina as orientações de higiene bucal recomendadas pelo seu dentista.
Se você apresenta problemas periodontais, o controle deve ser rigoroso, pois 32% dos portadores de halitose têm como causa principal alterações periodontais.
Assim, a forma mais efetiva de controle são as visitas periódicas a seu periodontista, que vai determinar a frequência dos retornos, conforme o grau de comprometimento periodontal.
Faça pequenas refeições a cada  3 horas, pois o jejum prolongado favorece a formação de metabólitos mal cheirosos que são eliminados no ar expirado.
Halitose tem cura!
A halitose (mau hálito) tem sido um problema para a humanidade desde o ínicio dos tempos.
Pesquisas mostram que cerca de 30% da população brasileira possui halitose!
Com as mudanças de hábitos ditadas pela vida moderna,  esse problema está  cada vez mais presentes.
Tabus estabelecidos e ainda aceitos pela população interferem na divulgação tanto dos novos conceitos como das terapêuticas que hoje tem sido aplicadas com sucesso no tratamento do mau hálito.
Halitose, na maioria dos casos, não é consequência de má higiene bucal e raramente está relacionada com problemas estomacais.

Galeria de fotos (clique para ampliar)